Rodrigo Moraes - Advocacia e Consultoria em Propriedade Intelectual

banner 1banner 2Livros

Palestra do ministro Gilberto Gil proferida no Centro Acadêmico XI de Agosto (USP)

Autor: Ministério da Cultura

(...)
Nesse contexto, é fundamental ressaltar a importância dos direitos de propriedade intelectual como ferramentas para o desenvolvimento; ao mesmo tempo, temos claro que o desenvolvimento só poderá ser garantido se houver equilíbrio entre as obrigações e direitos privados e o interesse público. Se perdermos tal equilíbrio, estaremos violando a própria natureza do conhecimento: nunca esqueçamos a observação de Thomas Jefferson, para quem não existiria nada menos propício à apropriação exclusiva do que as idéias, cujo compartilhamento não gera necessariamente prejuízo a ninguém.

Defender o equilíbrio nas disciplinas de propriedade intelectual significa preservar a integridade do domínio público. Um domínio público robusto é a garantia da continuidade da inovação. Por outro lado, o “loteamento” do domínio público entre corporações privadas, de forma detrimental ao interesse público, representará não apenas colocar cercas em torno do conhecimento, como também diminuir o acesso a bens essenciais.

Diante da amplitude alcançada pela propriedade intelectual, não há mais espaço para que continuemos a discutir este assunto a partir de simplificações, reducionismos e dogmas. Se não estabelecermos um debate sério e honesto sobre os rumos que deverão ser tomados pelas normas de proteção à propriedade intelectual, corremos o grave risco de prejudicar o desenvolvimento da maior parte dos países; corremos o risco de comprometer o acesso à saúde, à ciência, à cultura e ao meio ambiente sustentável.

Para ilustrar: as patentes se transformaram em instrumentos anticompetitivos; as medidas tecnológicas de proteção ameaçam o domínio público e as exceções e flexibilidades – como o uso justo e a cópia privada.

Quero ressaltar que os modelos de economia musical do século XX foram usados, gastos, e agora entraram em crise em função da tecnologia digital e do acesso de multidões de pessoas ao consumo cultural. Este contexto de revolução digital solicita de todos os agentes uma ampla atualização de estratégias. O setor privado precisa atualizar os modelos de negócios para sobreviver. O Estado brasileiro precisa atualizar suas normativas do direito autoral para dialogar com este novo momento, compreender as novas dinâmicas, promovendo o bom equilíbrio entre direitos autorais, direitos dos investidores e direitos culturais das populações.

A legislação brasileira é – na prática – anterior a revolução digital, ao DVD, a Internet. É uma lei que tem aspectos anacrônicos. Pela legislação brasileira, por exemplo, a cópia privada não é contemplada como direito, ou seja, baixar uma música num I POD - no Brasil – é algo que nossa lei não enxerga, ou enxerga como ilegal.

O digital permitiu a inclusão de milhões de pessoas a um acesso pleno a um repertório fundamental da formação e educação de nossos dias. Fiquei contente de ver que na feira Midem, e nos debates que se acaloraram na última semana, boa parte das empresas de tecnologias e algumas gravadoras começam a declarar que o uso de tecnologias de restrição não são um bom caminho e que – na verdade – cerceiam a liberdade e pouco adiantam para popularizar a música.

Usar medidas tecnológicas de proteção é tornar a tecnologia uma ferramenta limitadora, restritiva e fazer muito pouco ou quase nada para popularizar novas formas de economia pela Internet. (...)


PS. Confira a íntegra da palestra no link logo abaixo...

Outras Novidades

24/02/21 - Direito moral do autor é imprescritível, mas pedido de indenização deve ser ajuizado em três anos
05/10/20 - Danos morais gerados a pessoa jurídica por venda de produtos falsificados podem ser presumidos
30/09/20 - Artista deve ser indenizado por uso comercial não autorizado de grafite em área pública
15/09/20 - Terceira Turma mantém condenação da Oi por uso não autorizado de fotos em cartões telefônicos
09/08/20 - TRF3 rejeita pedido de anulação do registro da marca "Botox"
28/07/20 - Lei de Turismo não impede cobrança de direitos autorais em estabelecimentos de hospedagem
15/07/20 - Confirmada anulação das marcas Doralflex e Neodoralflex por conflito com registro do Dorflex
16/05/20 - Registro no INPI dá ao titular do nome todos os direitos inerentes
07/04/20 - Terceira Turma nega recurso de fabricante de bebidas que registrou nome similar a Coca-Cola
14/03/20 - Registro de nome empresarial não define prescrição de ação sobre uso indevido de marca
14/03/20 - Editora de revista de moda e beleza não consegue anular registro da marca de empresa de cosméticos
10/03/20 - Direito autoral deve ser respeitado mesmo que foto esteja disponível na internet
22/02/20 - Para Quarta Turma, livro didático que reproduziu poema de Cecília Meireles não violou direitos autor
08/01/20 - OAB questiona medida provisória que extingue cobrança de direitos autorais em quarto de hotel
02/10/19 - Cia. Hering mantém direito de uso exclusivo da marca

Outras Leis

Outros Artigos

Rodrigo Moraes

Travessa Miguel Arcanjo de Santana, Rio Vermelho, 01, Sala 201                  Salvador-BA | CEP: 41.950-670                                                                      Telefax: (71) 3243-2549 / (71) 3241-5711 | WhatsApp: (71) 9659-9475                        contato@rodrigomoraes.adv.br | Instagram: @rodrigomoraesadvocacia | /RodrigoMoraesAdvocacia 

RANDERNET