Rodrigo Moraes - Advocacia e Consultoria em Propriedade Intelectual

Rodrigobanner 1Escritóriobanner 2Livros

TRF2 mantém nulidade de marca que SBT chegou a registrar

Autor: TRF2

A Primeira Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) manteve, por unanimidade, a sentença de primeira instância que declarou nulo o registro da marca “Who Wants to be a Milionaire”, concedido ao Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) em 2010, mesmo ano em que a produtora 2WAYTRAFFIC RIGHTS LIMITED propôs a ação contra a emissora brasileira e a autarquia federal, pretendendo a nulidade.


O pedido inicial foi feito com base na alegação de que houve reprodução da marca estrangeira (notoriamente conhecida) com o intuito de oferecer os mesmos serviços disponibilizados pela autora em todo o mundo. No caso, ficou comprovado nos autos que a emissora paulista havia solicitado o registro da marca no Brasil em 1999, embora idêntica marca nominativa já tivesse sido registrada na Grã Bretanha e na Irlanda do Norte a partir de 13/10/1998, e programa de mesmo nome já fosse veiculado nesses países e na Austrália.


No TRF2, o recurso do SBT contra a anulação dos registros foi relatado pelo desembargador federal Paulo Espirito Santo, que adotou integralmente os fundamentos da sentença de primeiro grau para negar a apelação da emissora brasileira. “In casu, resta clara a reprodução do título do programa de televisão, sem autorização de seu legítimo titular, incidindo no referido dispositivo, na medida em que todos os documentos demonstram a anterioridade em favor da parte autora”, considerou o magistrado.


O relator destacou em sua decisão que a lei 9.279/96, que regulamenta a propriedade industrial, representa uma proteção aos direitos autorais e afasta a concorrência desleal, evitando que o interessado em determinado registro utilize expressão artística difundida por outro em seus produtos. “O Direito proíbe e reprime atos de usurpação do esforço empresarial alheio e aqueles que possam confundir o público. A marca, assim, cumpre duplo papel, o de servir de identificação a produtos e serviços que tenham logrado conseguir o respeito do público por sua qualidade e o de proteger o consumidor”, pontuou o desembargador.


A empresa 2WAYTRAFFIC também recorreu contra o dispositivo da sentença de primeiro grau que declarou a Justiça Federal incompetente para o julgamento do pedido de abstenção do uso da marca. No TRF2, esse recurso foi provido. “No que tange ao Recurso Adesivo da Autora 2WAYTRAFFIC, adoto o entendimento no sentido de que a Justiça Federal também é competente para o julgamento do pedido de abstenção do uso da marca cumulado com o pedido de nulidade do registro, (...), a fim de evitar-se eventuais decisões conflitantes sobre a mesma questão”, finalizou o relator.

Proc.: 0803564-33.2010.4.02.5101

Rodrigo Moraes

Av. Estados Unidos, 528, salas 1115 e 1116, Ed. Joaquim Barreto de Araújo,
Comércio, Salvador, Bahia, Brasil. CEP: 40010-020
Telefax: 55 71 3243-2549 / 55 71 3341-3697 | contato@rodrigomoraes.adv.br
/RodrigoMoraesAdvocacia

RANDERNET