Rodrigo Moraes - Advocacia e Consultoria em Propriedade Intelectual

banner 1banner 2Livros

Decisão judicial abre caminho para remédios mais baratos

Autor: INPI

Uma decisão da 1ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2a. Região, no Rio de Janeiro, vai abrir caminho para o barateamento de vários remédios. Nesta terça-feira, dia 9, os magistrados concordaram, por unanimidade, com o entendimento do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e decidiram anular a patente do anticoncepcional Yasmin. A sentença é inédita e poderá gerar casos semelhantes, estimulando a indústria de genéricos.

No caso do Yasmin, por exemplo, o medicamento de referência pode custar R$ 52,20, com 21 comprimidos, de acordo com pesquisa na Internet. Mas há um medicamento similar, o Elani Ciclo, que pode sair por R$ 32,51, ou seja, cerca de 37% a menos.

O problema é que a patente em questão foi concedida pelo mecanismo do “pipeline”, criado pela Lei de Propriedade Industrial, de 1996. Até aquela época, o Brasil não concedia patentes de produtos químicos ou farmacêuticos. Com o “pipeline”, ficou permitida a proteção dos produtos que já existiam nesta área pelo prazo restante da patente concedida no exterior.

O “pipeline” deveria ser concedido sem exame – ou seja, sem verificar se preenchia os requisitos para proteção. Aí é que está o problema. Para evitar a criação de “super patentes”, o INPI entendeu que poderia haver exame nestas patentes em ações de nulidade administrativa ou na Justiça.

Foi o que aconteceu com o anticoncepcional. Um parecer do INPI mostrou que a patente não possuía atividade inventiva, que é um dos requisitos da patente. O laboratório que produzia o outro remédio entrou na Justiça, perdeu em primeira instância e ganhou no Tribunal, junto com o INPI.

Além do Yasmin, foram concedidas patentes “pipeline” para medicamentos como o Viagra, o Omeprazol e quatro dos 18 remédios do coquetel anti-Aids, que consomem 80% dos recursos gastos anualmente pelo Ministério da Saúde no combate à doença.

Outras Novidades

07/04/21 - Hotel deve pagar direitos autorais pela reprodução de música em quartos, decide STJ
24/02/21 - Direito moral do autor é imprescritível, mas pedido de indenização deve ser ajuizado em três anos
05/10/20 - Danos morais gerados a pessoa jurídica por venda de produtos falsificados podem ser presumidos
30/09/20 - Artista deve ser indenizado por uso comercial não autorizado de grafite em área pública
15/09/20 - Terceira Turma mantém condenação da Oi por uso não autorizado de fotos em cartões telefônicos
09/08/20 - TRF3 rejeita pedido de anulação do registro da marca "Botox"
28/07/20 - Lei de Turismo não impede cobrança de direitos autorais em estabelecimentos de hospedagem
15/07/20 - Confirmada anulação das marcas Doralflex e Neodoralflex por conflito com registro do Dorflex
16/05/20 - Registro no INPI dá ao titular do nome todos os direitos inerentes
07/04/20 - Terceira Turma nega recurso de fabricante de bebidas que registrou nome similar a Coca-Cola
14/03/20 - Registro de nome empresarial não define prescrição de ação sobre uso indevido de marca
14/03/20 - Editora de revista de moda e beleza não consegue anular registro da marca de empresa de cosméticos
10/03/20 - Direito autoral deve ser respeitado mesmo que foto esteja disponível na internet
22/02/20 - Para Quarta Turma, livro didático que reproduziu poema de Cecília Meireles não violou direitos autor
08/01/20 - OAB questiona medida provisória que extingue cobrança de direitos autorais em quarto de hotel

Outras Leis

Outros Artigos

Rodrigo Moraes

Travessa Miguel Arcanjo de Santana, Rio Vermelho, 01, Sala 201                  Salvador-BA | CEP: 41.950-670                                                                      Telefax: (71) 3243-2549 / (71) 3241-5711 | WhatsApp: (71) 9659-9475                        contato@rodrigomoraes.adv.br | Instagram: @rodrigomoraesadvocacia | /RodrigoMoraesAdvocacia 

RANDERNET